retenção de alunos

6 estratégias para melhorar a retenção de alunos no EAD

O momento atual de crescimento da educação a distância no ensino superior traz consigo diversas dificuldades. Um dos desafios mais relevantes para os gestores das instituições é a questão da evasão escolar e a importância de ações para retenção de alunos.

No entanto, para os gestores educacionais saberem como melhorar estes aspectos, é essencial entender o que faz os estudantes deixarem a graduação. Veja mais a seguir!

Leia também: Inovação tecnológica na educação: 6 passos para impulsionar na sua IES

Desafios para adaptação dos estudantes ao EAD

O contexto do EAD ainda gera dificuldades na adaptação dos estudantes nos cursos online e a distância. Afinal, muitos não se acostumam com o uso de tecnologias ou sentem dificuldades para manter a atenção e o engajamento nas aulas digitais.

Apesar disso, o ensino a distância já vinha em franca expansão no Brasil. Em 2018, pela primeira vez, o número de vagas oferecidas em cursos de graduação EAD superou a modalidade presencial, com 7,1 milhões de vagas para o EAD, contra 6,3 milhões, segundo dados do MEC.

Mas, com a pandemia do coronavírus e a suspensão do ensino presencial, a educação a distância se tornou essencial para dar prosseguimento aos cursos. De acordo com a Unesco, mais de 1,3 bilhão (80%) de estudantes no mundo estão afastados das salas de aula por tempo indeterminado.

Com este cenário, a demanda no Brasil por aplicativos de educação cresceu cerca de 130%, somente em março, para que as instituições pudessem oferecer aos estudantes uma forma de migrar o ensino presencial para o online. 

Ao mesmo tempo, os problemas de adaptação ao ritmo do EAD se acentuaram e criaram mais obstáculos para a retenção de alunos, já que os estudantes:

  • Não gostam deste método para aprender e preferem aulas presenciais;
  • Não têm tecnologia para acessar a plataforma de ensino.

Dados da pesquisa da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) enfatizam este aspecto. Conforme o levantamento, embora 67% dos alunos considerem a experiência do EAD positiva, 73% manteriam a decisão por aulas presenciais. Só 3% disseram que migrariam para o EAD em definitivo.

Saiba mais: Como promover o ensino a distância com o auxílio de tecnologias educacionais

O aspecto financeiro na retenção de alunos

Obviamente, a questão financeira é um aspecto importante para a manutenção dos estudantes ao longo da formação acadêmica. Para 61% dos entrevistados pela Quero Educação, o valor da mensalidade é fundamental.

Se em tempos normais os preços já são um motivador para a evasão escolar, atualmente, com o coronavírus, tal aspecto se intensificou, uma vez que a crise impactou diretamente as finanças e o emprego dos estudantes ou dos responsáveis pelo pagamento da matrícula.

Segundo o Semesp, a taxa de inadimplência no ensino superior privado teve um aumento de 72,4% em abril, em relação o mesmo período de 2019. No caso do EAD, o índice cresceu 50%, sem contar que o número de alunos que desistiram ou trancaram matrículas em abril subiu 32,5% entre 2019 e 2020.

Mesmo com este cenário de dúvidas e incertezas, entre os alunos matriculados em universidades privadas, 52% querem continuar estudando independentemente do cenário, de acordo com o estudo da Abmes. Outros 42% desejam continuar, mas admitem o risco de desistirem.

Como superar os obstáculos e melhorar a retenção de alunos no EAD

Para garantir a permanência dos estudantes até a conclusão do curso, é preciso que os gestores educacionais se empenhem em driblar as adversidades listadas anteriormente.

Afinal, a retenção de alunos demanda novas ações e estratégias para fidelizar o estudante e evitar a evasão. Veja boas práticas e técnicas para atingir estes objetivos!

Leia também: Confira os principais dados e tendências do Ensino a Distância no Brasil

1. Entender os alunos

Conhecer as características e desejos dos estudantes no EAD é fundamental para evitar frustrações, atender às expectativas e garantir a retenção de alunos. 

Mesmo nos tempos atuais, quando todos estão migrando para aulas online, é preciso identificar o perfil dos alunos e corresponder aos seus anseios, oferecendo uma experiência de ensino flexível, dinâmica e inovadora.

2. Manter a motivação em alta

Um estudante desmotivado é meio caminho andado para a desistência do curso. Então, é preciso investir em formas de mantê-lo interessado e engajado com as disciplinas e as aulas.

Os professores devem ensinar de uma maneira mais dinâmica, interativa e atraente para garantir essa motivação, inclusive com conteúdos com estímulos visuais, exemplos práticos e linguagem mais próxima do habitual dos alunos.

As metodologias ativas ajudam e muito neste processo, pois contam com inúmeras técnicas como sala de aula invertida, gamificação, recursos audiovisuais, entre outros.

3. Acompanhar o desempenho

Monitorar o rendimento acadêmico permite identificar quais estudantes precisam de reforço para conseguirem se manter em dia com os conteúdos e assim afastar o risco de desistência do curso. Identifique quais estudantes estão indo bem e reconheça o bom desempenho. 

Com a valorização dos estudantes por meio de prêmios, medalhas e certificados, é possível aumentar o envolvimento, a performance e garantir maior retenção de alunos.

4. Contornar a questão da distância física

A distância física pode realmente deixar o estudante longe da rotina e da realidade de uma instituição de ensino superior. Por isso, é preciso contornar este problema aproximando o aluno, desde o atendimento online, até as aulas virtuais, fóruns, avaliações e dúvidas.

Para tanto, os gestores devem criar um ambiente online convidativo, que estimule os alunos a se manterem conectados.

Saiba mais: Educação a distância no Brasil: como lidar com os desafios da aprendizagem remota

5. Trabalhar o aspecto financeiro

Como vimos, as finanças pesam e muito na decisão de desistência dos estudantes. Por isso, explore novas opções de bolsas estudantis, descontos em cursos, programas de financiamento próprio da instituição e até suspensões de pagamentos por prazos excepcionais, como na situação da covid-19. 

Essa medida pode evitar a evasão e aumenta consideravelmente as matrículas e a retenção de alunos.

6. Investir em tecnologias eficientes

Nada é mais decepcionante do que uma plataforma de ensino online com problemas. Logo, os gestores devem investir em tecnologias de ensino que funcionem perfeitamente.

Além disso, vale a pena usar recursos inovadores para tornar a aprendizagem mais atrativa, como inteligência artificial e realidade virtual e aumentada

Outra tecnologia que pode ajudar e muito os estudantes é a biblioteca digital. Afinal, nada melhor do que ter acesso rápido, fácil e prático a milhares de ebooks com todo o conteúdo necessário para estudar, aprender, fazer pesquisas e trabalhos.

Conheça a Minha Biblioteca

Criada para auxiliar as instituições de ensino superior a garantir o acesso à informação e promover o ensino de qualidade, tanto em cursos presenciais, como em cursos a distância, a Minha Biblioteca é uma plataforma com milhares de ebooks voltados para diversas áreas do conhecimento.

A plataforma possui diversas vantagens para os estudantes como facilidade, praticidade e conveniência para consultar os livros digitais quando e onde quiser. Basta ter conexão com a internet e os alunos terão o catálogo completo à sua disposição.

Além disso, a Minha Biblioteca conta com recursos que facilitam a leitura e a aprendizagem como busca por palavra-chave, realce, anotações, marcadores de páginas, modo revisão e muito mais, garantindo maior engajamento e retenção de alunos. 

Se a sua instituição de ensino ainda não assina a Minha Biblioteca, entre em contato conosco e solicite mais informações.

Baixe nosso material e saiba como o MEC avalia a implementação de biblioteca digital nas instituições de ensino superior.

Leave a comment

cinco × quatro =