Blog

Analfabetismo funcional no ensino superior

Analfabetismo funcional existe em instituição de ensino superior?

O analfabetismo funcional é um assunto complexo, mas não há como negar que ele existe na instituição de ensino superior. Por isso, é preciso discutir o tema para garantir melhores condições para os estudantes.

Realizado desde 2001, pela ONG Ação Educativa e o Instituto Paulo Montenegro, o Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf) é um estudo feito para medir os níveis de alfabetismo da população brasileira de 15 a 64 anos.

Segundo o Inaf, o alfabetismo é:

“A capacidade de compreender e utilizar a informação escrita e refletir sobre ela. Um contínuo que abrange desde o simples reconhecimento de elementos da linguagem escrita e dos números até operações cognitivas mais complexas. O que envolve a integração de informações textuais e dessas com os conhecimentos e as visões de mundo aportados pelo leitor.”

Baixe nosso whitepaper e saiba como o MEC avalia a implementação de biblioteca digital nas instituições de ensino.

Analfabetismo funcional no ensino superior

Apesar da democratização do ensino nos últimos anos, os dados de 2018 da pesquisa mostram que ainda há muito a ser feito no Brasil. De acordo com o estudo, 29% da população do país pode ser considerada como analfabeta funcional e 71% dos brasileiros são funcionalmente alfabetizados.

E novamente, a escolaridade se mostra como o principal fator explicativo da condição do alfabetismo. Quanto mais anos de estudo, maior a proporção de funcionalmente alfabetizados.

No entanto, um dado chama a atenção. Em 2018, 4% dos estudantes que ingressaram no ensino superior eram considerados analfabetos funcionais.

Ou seja, mesmo sabendo ler e escrever algo simples, não tinham as competências necessárias. Tanto para satisfazer as demandas do seu dia a dia como para viabilizar o seu desenvolvimento pessoal e profissional.

Leia tambémComo trabalhar a educação socioemocional no ensino superior

Como a instituição de ensino pode reverter o analfabetismo funcional

Diante deste cenário desafiador e apesar do problema parecer enraizado, cabe à instituição de ensino criar condições para ajudar os estudantes. Dessa maneira, os alunos terão a oportunidade de superar o analfabetismo funcional e conseguir desenvolver suas habilidades.

Para isso, é possível seguir 3 dicas. Confira agora o que você pode colocar em prática na sua instituição:

  • Proporcionar uma estrutura pedagógica diferenciada: a instituição de ensino pode criar situações para que o aluno aplique seus conhecimentos de forma prática, verificando imediatamente como aquele conteúdo influenciou sua vida;
  • Incentivar o hábito da leitura e da escrita: as bibliotecas podem ser espaços para ajudar a estimular a interpretação e o raciocínio por meio da leitura. Assim, com atividades lúdicas, é possível favorecer a troca de experiências ampliando os conhecimentos.
  • Facilitar a compreensão textual: a instituição de ensino pode criar oficinas de interpretação de texto. Nelas, os professores atuarão como guias para auxiliar os alunos com dificuldades. Então, os docentes poderão decifrar os textos e ajudar a construir o significado dos materiais apresentados.

Leia tambémComo professores universitários podem envolver os alunos

Como a tecnologia pode ajudar a combater o analfabetismo funcional

A chamada Era Digital ou 4ª Revolução Industrial vem transformando vários setores da sociedade e a educação não fica de fora. A chegada da tecnologia tem beneficiado em vários aspectos o trabalho educacional e proporcionado grandes mudanças.

Ao optar por uma plataforma de livros digitais – como a Minha Biblioteca, por exemplo –, a instituição de ensino permitirá aos alunos diversas vantagens como:

  • Acesso rápido a milhares de títulos acadêmicos;
  • Fontes de conhecimento de diversas áreas como: direito, ciências sociais aplicadas, saúde e mais;
  • Facilidade para os estudantes de graduação acessarem o acervo de qualquer lugar, desde que haja internet.

O uso de uma biblioteca online como a Minha Biblioteca ampliará o acesso dos estudantes a diversas opções de livros. Além disso, incentivar o hábito de leitura será importante para romper essas barreiras.

Afinal, a democratização da informação dentro das universidades é o ponto principal para ajudar a instituição de ensino no combate ao analfabetismo funcional.

Para conhecer ainda mais sobre a Minha Biblioteca e como esta ferramenta pode ser útil para a sua instituição de ensino, entre em contato conosco e solicite um trial.

Baixe agora nosso eBook e saiba como montar um plano de aula do ensino superior atrelado às novas tecnologias!