Blog

Como lidar com o analfabetismo funcional

Como as instituições de ensino superior podem lidar com o analfabetismo funcional

A educação de baixa qualidade no Brasil impactou uma parcela considerável dos alunos da graduação. Dessa forma, podemos observar que o analfabetismo funcional é uma das características presentes nos estudantes universitários.

Essa realidade foi comprovada pelo Instituto Paulo Montenegro, que é responsável por avaliar o nível de alfabetização dos brasileiros. De acordo com a pesquisa, 4% dos que cursam ou já cursaram uma faculdade são analfabetos funcionais e apenas 22% são proficientes em leitura.

Sua instituição de ensino precisa de uma biblioteca digital? Solicite nossa proposta comercial!

Como as instituições de ensino superior podem contornar o analfabetismo funcional

Existem algumas ações  que podem ajudar a aumentar o nível de qualidade da sua instituição e, paralelamente, contornar o analfabetismo funcional no ensino superior. Continue acompanhando!

1. Estimule a leitura

É considerado analfabeto funcional o aluno que é capaz de ler e escrever, mas não consegue utilizar as informações necessárias para atividades do cotidiano. Desse modo, a leitura e a interpretação do estudante ficam comprometidas.

Com isso em mente, é imprescindível estimular a leitura dentro e fora de sala, além de sensibilizar os estudantes sobre a importância de cultivar hábitos de leitura para combater o analfabetismo funcional dentro das instituições de ensino superior.

Leia também: 4 dicas para estimular o uso da biblioteca online

Para estimular a leitura é possível promover debates sobre as obras acadêmicas presentes na bibliografia básica e complementar, por exemplo. Os debates podem ser realizados em sala ou em fóruns temáticos online. Essa medida instiga a leitura, além de otimizar o desempenho e o rendimento acadêmico dos estudantes.

2. Incentive a interpretação de texto

Para dissociar a impressão de que o hábito da leitura é uma obrigação frustrante e não uma ação prazerosa, é fundamental incentivar a interpretação de texto dos estudantes, uma vez que ela é imprescindível para a compreensão de artigos acadêmicos e combate ao analfabetismo funcional.

Para isso, é possível disponibilizar obras de acordo com o perfil e a preferência dos alunos. Crie um pequeno formulário para que os estudantes possam apontar quais são os temas acadêmicos que mais os interessam. Dessa forma, você poderá enviar notificações sobre as obras disponíveis na biblioteca digital da sua instituição de ensino superior sempre de acordo com os gostos dos alunos.

 3.Promova o pensamento crítico

O pensamento crítico caracteriza-se em um julgamento propositado e reflexivo sobre o que o aluno deve acreditar ou fazer ao se deparar com uma observação, experiência ou argumento apresentado. É uma característica fundamental para o combate do analfabetismo funcional no ensino superior.

Para promover o pensamento crítico dentro e fora da sala de aula, o professor deve encontrar formas de ressaltar a importância de questionar, buscar fontes e principalmente comprovar o que foi lido.

Para isso, é muito importante elaborar exercícios, trabalhos em grupo e análises de textos e vídeos, além de reservar um espaço para os alunos debaterem sobre suas opiniões e questionarem temas relevantes da atualidade.

Como a Minha Biblioteca pode ajudar sua instituição de ensino a reduzir o analfabetismo funcional?

Minha Biblioteca é uma plataforma digital de livros com um acervo de títulos técnicos, científicos e profissionais para os estudantes de graduação acessarem de qualquer lugar, desde que haja internet.

biblioteca digital é intuitiva e fácil de usar, além de contar com diversas ferramentas para otimizar os estudos e a pesquisa em trabalhos acadêmicos. Ao implementá-la, certamente terá meios de colocar em prática as dicas do artigo de hoje e ainda contribuir com a redução do analfabetismo funcional.

Para saber um pouco mais sobre a plataforma da Minha Biblioteca, entre em contato conosco!

Baixe agora nosso infográfico e saiba como reduzir custos com a biblioteca digital!