aprendizagem no ensino superior

Aprendizagem no ensino superior: 3 metodologias para otimizar o ensino

A popularização da internet, o surgimento de novas tecnologias e a chamada era digital vêm transformando a relação entre professores e alunos. Com isso, a aprendizagem no ensino superior precisa se adaptar aos novos tempos para não ficar para trás.

Os estudantes agora podem recorrer aos sites de pesquisa para solucionar dúvidas. Assim, cabe ao professor ser uma espécie de curador neste mundo no qual as informações estão por todas as partes.

O docente precisa buscar novas metodologias, tecnologias, ferramentas e técnicas que sejam capazes de gerar maior engajamento entre estudantes.

Entender como estes tipos de metodologias podem ser úteis em sala de aula é o primeiro passo para avançar na busca por uma aprendizagem no ensino superior mais eficiente.

Leia tambémConheça os principais desafios do ensino superior no Brasil

Novas metodologias de aprendizagem no ensino superior

Para melhorar a relação entre professor e aluno e facilitar o aprendizado dos estudantes, é preciso compreender as mudanças pelas quais o mundo atual está passando, como mencionamos anteriormente.

Neste artigo, veremos 3 novas metodologias que podem tornar as aulas mais dinâmicas e prazerosas. Isso faz com que o professor invista na aprendizagem no ensino superior, garantindo a qualidade do ensino.

1. Aprendizagem criativa

A criatividade está relacionada ao refinar, testar e se concentrar no que se está fazendo. A metodologia para o aprendizado mais criativo é desenvolvida a partir de 4 princípios. Em inglês: project, passion, people e play.

Project/projeto: baseia-se na ideia de propor um desafio aos alunos. Cabe a eles realizarem todo o planejamento e definir os materiais e os recursos a serem utilizados.

Passion/paixão: o desafio deve ser envolvente e instigante. Precisa despertar a paixão pelo que se está fazendo.

People/parcerias: os alunos devem buscar pessoas que os ajudem em seus desafios. Podem ser profissionais mais experientes ou mentores no assunto.

Play/brincar: os estudantes colocam em prática aquilo que planejaram. O processo é uma efetiva experimentação e vivência.

Os 4 princípios da aprendizagem criativa fazem com que o estudante possa experimentar, criar, testar e errar a partir de uma experimentação concreta e ativa de aprendizagem. O que gera muito mais interesse dos alunos.

Leia também: Humanização da educação: como tornar o ensino mais eficiente?

2. Metodologia ágil

Neste modelo, os estudantes vivenciam, em ciclos de aprendizagem pontuais, experiências, interações sobre processos e ferramentas, compartilhamento de conhecimentos, informações e dados.

A ideia é utilizar micromomentos, microatividades e microconteúdos – partes menores, mas com profundidade e relevância.

A metodologia ágil é menos conteudista e mais focada no desenvolvimento e na preparação para o mundo atual. O ensino realizado por essa metodologia preza pelo desenvolvimento de competências.

3. Ensino híbrido

Esta metodologia integra o método tradicional — presencial, em sala de aula e com a interação do professor — com a educação a distância.

Com foco na personalização do aprendizado, o ensino híbrido une as atividades online e offline. Dessa forma, possibilita a autonomia do aluno, o domínio do conhecimento aos poucos e a construção de relacionamentos produtivos entre professor e aluno.

Ferramentas indispensáveis para a aprendizagem no ensino superior

Este novo modelo de aprendizagem no ensino superior pede a introdução de ferramentas também inovadoras.

As bibliotecas digitais, por exemplo, ajudam a dinamizar o estudo e otimizam o aprendizado.

Ao disponibilizar conteúdo com credibilidade em um acervo multidisciplinar, as bibliotecas online facilitam a busca por informação em um único lugar.

Conheça a Minha Biblioteca

Com mais de 7 mil títulos disponíveis, a Minha Biblioteca é uma biblioteca digital com diversos benefícios para alunos, professores e a instituição de ensino.

Enquanto os estudantes têm à disposição obras completas na palma da mão, os professores podem usar a ferramenta para elaborar o plano de aula. As instituições, por sua vez, conseguem reduzir custos, melhorar a qualidade do ensino e obter maiores notas junto ao MEC.

Se a sua instituição de ensino ainda não tem Minha Biblioteca, solicite um trial e veja como a plataforma pode ser útil para melhorar a aprendizagem no ensino superior.

Leave a comment

10 − 5 =