como fazer um plano de ensino

Como fazer um plano de ensino em IES: 10 itens que não podem faltar

Para ministrar as disciplinas no ensino superior os professores precisam de estudo, planejamento e criatividade para elaborar aulas que atraiam o interesse, a atenção, o engajamento dos alunos e garantam uma aprendizagem efetiva de qualidade. Neste sentido, saber como fazer um plano de ensino nos cursos de graduação é essencial.

Porém, nem todos os docentes estão preparados para criar um plano de ensino eficiente e adequado que contenha os itens necessários para ajudar na construção das aulas.

Até porque o plano de ensino é o elemento que vai basear toda a prática pedagógica e o desenvolvimento da matéria.

Por isso, neste texto, vamos mostrar o que os professores precisam saber e como fazer um plano de ensino efetivo, tanto para a educação presencial, quanto para educação a distância.

Leia também: Competências em educação a distância: qual o papel dos professores e tutores?

O que é o plano de ensino para a graduação?

Basicamente, o plano de ensino é a programação do conteúdo a ser estudado e explicado para os estudantes e das atividades pedagógicas a serem aplicadas durante o desenvolvimento da disciplina no período letivo. 

Com isso, engloba os objetivos da matéria, assim como descreve os métodos e técnicas para atingir tais resultados. O plano ainda conta com toda a bibliografia usada pelo docente que necessita de um catálogo de ebooks segmentado por área do conhecimento para apoiá-lo. Afinal, com um acervo digital, fica muito mais fácil para a realização do trabalho dos professores.

Assim, tal plano permite que os docentes preparem as aulas de forma mais assertiva e executem tudo aquilo que foi programado previamente. 

Vale lembrar que o plano deve ser dinâmico, reflexivo e dialógico para promover uma melhor aprendizagem. Da mesma forma, ele precisa ser flexível para inserir os estudantes na construção das aulas, para alterar a metodologia de ensino quando necessário e para adicionar novas bibliografias relacionadas e recentes.

Saiba mais: Educação a distância no Brasil: como lidar com os desafios da aprendizagem remota

Principais elementos de um plano de ensino eficiente

Depois de entender o conceito e as características, é importante saber como fazer um plano de ensino, quais passos devem ser seguidos, a estrutura elaborada e os elementos que não podem faltar neste processo.

Para auxiliar os docentes neste contexto, separamos os 10 itens essenciais que devem constar no plano de ensino das disciplinas de graduação. Vamos lá!

1. Título da disciplina

A construção de um plano de ensino começa com as informações básicas de identificação da matéria. Neste caso, é preciso colocar o nome do curso (como por exemplo Medicina), nome ou título da disciplina (Fisiologia), código da disciplina, ano e semestre da turma, período (noturno ou diurno) e nome do professor.

2. Carga horária

Este passo segue ainda a relação de informações básicas e apresenta o número de créditos, o horário da aula, a carga horária semanal e semestral da disciplina.

3. Ementa

A ementa traz os pontos essenciais do conteúdo programático da disciplina. Ela deve seguir a linha pedagógica adotada pela instituição de ensino superior e ser descrita com frases curtas e objetivas, indicando claramente o escopo e foco da matéria. Assim, deve ser utilizado um parágrafo com quatro ou cinco linhas. 

Além disso, a ementa não pode ser alterada sozinha pelo professor, já que é criada em conjunto com a coordenação do curso.

4. Objetivos gerais e específicos

Os objetivos envolvem os assuntos descritos no item anterior e sua função é tornar possível a execução da ementa. Para isso, são detalhados os conteúdos e competências que os alunos deverão conhecer, compreender, debater e analisar na disciplina.

Podem ser separados em objetivos gerais, que contam com planos mais amplos ao longo da matéria, e objetivos específicos, que serão abordados e acompanhados nas aulas. Vale destacar que os objetivos devem ser explicados em forma de tópicos e com verbos que exprimem a ação.

5. Justificativa

Este tópico de como fazer um plano de ensino é muito simples. Trata-se, na verdade, do motivo de trabalhar e desenvolver determinados assuntos durante o período letivo da disciplina.

Leia também: 7 passos para melhorar a formação dos docentes e práticas pedagógicas no EAD

6. Metodologia

Aqui, deve ser apresentado o conjunto de estratégias pedagógicas utilizadas pelos professores para facilitar o processo de aprendizagem, com o objetivo de que os alunos assimilem o conteúdo. 

Os recursos e metodologias aplicados devem atender à explicação dos conteúdos, ao tempo disponível nas aulas e às particularidades da turma. Alguns métodos possíveis são: aulas expositivas, demonstrativas, práticas, estudo de caso, leituras, debates e seminários, trabalhos em grupo, trabalhos em campo, visita técnica, jogos colaborativos e outros.

Neste sentido, as tecnologias e ferramentas educacionais podem ajudar e muito para o processo de aprendizagem, com estímulos audiovisuais e maneiras de engajar os alunos. O que ainda é mais relevante para a educação a distância, que necessita de estratégias de ensino que motivem os alunos e garantam seu aprendizado.

Leia também: 3 pilares da aprendizagem ativa que melhoram o processo de ensino

7. Conteúdo programático

Os professores devem detalhar os conteúdos apresentados na ementa com a organização e hierarquização dos assuntos que serão trabalhados em módulos. Assim, os temas, conceitos e conhecimentos serão especificados e divididos com os diversos pontos abordados ao longo da disciplina.

Para embasar este elemento, vale usar catálogos segmentados de livros digitais da área de conhecimento da disciplina, que ajudam a explicar os principais assuntos a serem trabalhados.

8. Critérios de avaliação

Os processos de avaliação contemplados no plano de ensino nada mais são do que as formas de medir a aprendizagem dos estudantes na disciplina. Então, os professores devem especificar e detalhar quais os critérios e informações sobre as avaliações, como trabalhos e provas a serem realizados, as datas programadas e a atribuição de notas aos alunos.

Neste ponto, no ensino superior, é comum a aplicação de provas, exercícios, atividades em grupo, pesquisas de campo, elaboração de projetos, desenvolvimento de experiências, entre outros. No modelo EAD, é possível adequar os critérios de avaliação para exames virtuais, debates e apresentações online, entre outros.

Leia também: Aprendizagem a distância: como superar os desafios da avaliação

9. Planejamento das aulas 

Dentro das etapas de como fazer um plano de ensino, o planejamento de aulas é um dos aspectos mais importantes, pois será de extrema utilidade para professores e alunos. Afinal, ele permite a estruturação de todo o conteúdo que será trabalhado ao longo das aulas de acordo com um cronograma.

Assim, os docentes podem planejar as aulas de forma eficiente e os alunos poderão organizar as leituras de textos e execução de atividades conforme o programado.

É importante separar a primeira aula para apresentação e algumas aulas para revisão de conteúdo. No decorrer do período letivo, é possível ainda complementar o planejamento com textos ou atividades adicionais.

No nosso blog, já publicamos materiais para dar apoio aos professores no planejamento de aula. Confira:

6 dicas de como fazer um plano de aula eficiente

Como fazer o planejamento de aula para o ensino superior a distância

Passo a passo de como fazer um plano de aula efetivo para o EAD

Planejamento de aula: 6 dicas para professores se adaptarem para o EAD
5 passos para montar um planejamento educacional eficiente

10. Bibliografia 

As referências bibliográficas são todos os materiais ou fontes de pesquisa utilizados pelos professores na hora de como fazer um plano de ensino. Além disso, as referências bibliográficas tratam das indicações de conteúdo e da base teórica para consulta e leitura dos estudantes.

Pode ser dividida em básica, que são as bibliografias obrigatórias e que servem de base para o entendimento da disciplina, e a complementar, que traz informações adicionais e tem como objetivo enriquecer a bibliografia básica.

Do mesmo modo que ajudam na elaboração do conteúdo programático, os catálogos segmentados de livros digitais podem apoiar os docentes pois permitem a recomendação dos ebooks necessários para os alunos estudarem, consultarem, fazerem trabalhos acadêmicos e desenvolverem seu conhecimento.

Como a Minha Biblioteca pode ajudar na construção do plano de ensino

Para saber como fazer um plano de ensino, você, que é professor, pode e deve contar com a ajuda de uma plataforma de livros digitais com catálogos segmentados. 

A Minha Biblioteca é a ferramenta que você precisa e possui os principais ebooks técnicos e acadêmicos em 7 áreas do conhecimento: Saúde, Medicina, Jurídico, Exatas, Sociais Aplicadas, Pedagogia e Letras & Artes.

Assim, os docentes podem consultar as obras mais atualizadas, de autores renomadas que vão servir de referência para a elaboração do plano de ensino, tanto na criação do conteúdo programático, como no planejamento de aulas e na indicação de bibliografia aos estudantes. 

Tudo com fácil acesso a partir de qualquer dispositivo conectado à internet, garantindo maior praticidade e comodidade.

Além disso, é possível utilizar recursos como anotações, marcação e busca por palavra-chave que facilitam a utilização da plataforma no desenvolvimento do plano de ensino.

Ficou interessado? Se a sua instituição de ensino superior ainda não assina a Minha Biblioteca, solicite uma proposta agora mesmo.

Baixe agora nosso ebook e saiba como montar um plano de aula do ensino superior atrelado às novas tecnologias!

Leave a comment

11 − 3 =