avaliação do mec

Saiba tudo sobre avaliação do MEC e como preparar sua instituição de ensino superior

Estudar em uma instituição certificada pelo Ministério da Educação mostra que o local possui os requisitos básicos para promover um ensino de qualidade para os alunos. Por isso, os profissionais da educação envolvidos na coordenação, reitoria e direção das instituições de ensino precisam ficar atento aos critérios de avaliação do MEC para garantir o reconhecimento da IES.

Neste texto, você aprenderá quais os processos utilizados por esse órgão para certificar faculdades, universidades e cursos superiores. Boa leitura!

Leia também: Conheça os principais desafios do ensino superior no Brasil

Como é feita a avaliação do MEC?

O MEC avalia a qualidade das instituições de ensino por meio de três pilares básicos:

  • Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade);
  • Conceito Preliminar de Curso (CPC);
  • Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC).

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)

Segundo o site da INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), trata-se de uma prova realizada pelos estudantes ingressantes e concluintes habilitados de cursos de bacharelado e superiores de tecnologia vinculados às áreas de avaliação da edição. A prova avalia o rendimento dos concluintes das faculdades brasileiras para indicar qual o nível real de conhecimento que esses estudantes têm nas principais matérias que estão estudando.

O Enade abrange o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), a Avaliação de cursos de graduação e a Avaliação institucional.  Os resultados do Enade, aliados às respostas do Questionário do Estudante, são insumos para o cálculo dos Indicadores de Qualidade da Educação Superior. O Ciclo Avaliativo determina as áreas de avaliação e os cursos a elas vinculados.

Leia também: Ensino superior: como definir matriz e disciplinas de cursos presenciais e EAD

Conceito Preliminar de Curso (CPC)

CPC é um indicador prévio da situação dos cursos de graduação no país. Neste quesito, também é realizada uma avaliação na instituição para corroborar ou alterar o conceito obtido preliminarmente. Além disso, são considerados outros fatores, como por exemplo:

  • Número de mestres e doutores que atuam como professores;
  • Qualidade da infraestrutura e instalações;
  • Se a instituição tem capacidade o suficiente para comportar os alunos e suas necessidades referentes ao curso que praticam.

O conceita será divulgado anualmente, junto com os resultados do Enade. Cursos que obtiverem CPC 1 e 2 serão automaticamente incluídos no cronograma de visitas dos avaliadores do Inep e cursos com conceito igual ou maior que 3, podem optar por não receber a visita dos avaliadores e, assim, transformar o CPC em conceito permanente.

Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC)

O IGC é um indicador de qualidade que avalia as instituições de ensino superior e de pós-graduação stricto sensu (doutorado e mestrado) do país. Esse índice é conseguido por meio da média das notas alcançadas pela faculdade nos três anos anteriores do CPC (para cursos de bacharelado/licenciatura), do Capes (avaliação dos cursos de pós-graduação stricto sensu) e distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino, graduação ou pós-graduação stricto sensu. Compreendendo todas as áreas avaliadas previstas no Ciclo Avaliativo do Enade.

Para entender melhor sobre a metodologia de cálculo do IGC, consulte o site da INEP.

Qual a importância de uma boa avaliação do MEC?

Muitos alunos pesquisam bastante para encontrar a melhor instituição de ensino para se matricularem. Cursar uma faculdade não é algo tão simples. Até porque serão dedicados anos de estudos e gastos para conseguir o conhecimento e diploma necessários para exercer a profissão pretendida.

Por isso, para que a instituição consiga se destacar, atrair cada vez mais alunos e alcançar uma boa avaliação do MEC, é importante investir em vários aspectos, como:

  • Qualidade do ensino e dos conteúdos oferecidos;
  • Contratação de professores qualificados;
  • Infraestrutura completa para que todos os alunos possam ser recebidos e educados adequadamente;
  • Usar inovação e tecnologias em sala de aula para aumentar o engajamento dos estudantes.

Além disso, ter um desempenho ruim no MEC poderá impedir que os cursos em questão possam ser ministrados na faculdade. E, em casos mais graves, toda a instituição será comprometida e impedida de exercer suas atividades.

Leia também: Retenção de alunos: como a comunicação e as tecnologias facilitam esse processo

Biblioteca digital como aliada para avaliação do MEC

Seja em cursos presenciais ou a distância, oferecer suporte e estrutura aos alunos é fundamental para ter boas notas na avaliação do MEC e também melhorar a satisfação dos alunos.

Ter uma biblioteca rica e completa é um dos atrativos que agregam muito valor ao aluno durante o curso. Além disso, também contribui para melhores avaliações do MEC.

Os responsáveis pelas instituições de ensino podem investir em uma biblioteca digital, como a Minha Biblioteca. Formada por um acervo com mais de 7 mil títulos acadêmicos, a plataforma oferece diversas facilidades a alunos, professores e também à instituição.

Leia tambémEntenda por que uma biblioteca digital ajuda na qualidade do ensino

Pronto, agora você já sabe como é feita a avaliação do MEC e qual a importância de conseguir uma boa pontuação para a sua universidade.

Se quiser saber mais sobre a Minha Biblioteca, entre em contato conosco e veja como a ferramenta pode colaborar para o reconhecimento da IES e sua avaliação do MEC.

Leave a comment

6 − dois =